Obrazy na stronie
PDF
ePub

exterior se acham indissoluvelmente unidos, e tendem ao mesmo fim, um plano, que nos revela a conducta de Deos desde a creação, que une desta sorte os seculos passados, e os futuros, que faz concorrer todos os accontecimentos a um só, e mesmo designio. Nenhuma religiáo falsa tem similhantes caracteres. Uin falso zelo trahe-se n'uma, ou n'outra occasiao; o zêlo de Jesus Christo jamais se desmentio. Jesus Christo nao foi conseguintemente um fanatico.

Um impostor em materia de Religiao he um homem, que ensina aos outros uma doutrina , que elle mesmo nao acredita; que se inculca enviado de Deos, sem poder dar prova alguma de sua missão; que emprega a mentira para enganar os ignorantes. Um impostor he portanto um velhaco, um ambicioso hypocrita, um homem maligno, e orgulhoso, que ao capricho insensato de se distinguir, sacrifica a verdade, o a felicidade dos outros homens : a perfidia , e aleivosia sao crines inseparaveis da impostura. O impio, que se destina a illudir os outros homens com uma falsa religião, não pode deixar de ser astucioso, para não ser descoberto; desconfiado, para não ser surprehendido , e porque julga nos outros a mesma malicia, e má fé, que em si conhece; cruel, se he preciso sustentar suas trapacas; e inexoravel com quem: levemente o contradiga. Um coragao assim dis

posto he o asilo de todos os vicios. A historia nos representa a conducta de Jesus Christo, ein completa opposigao com o caracter da impostura. Jesus Christo não mostra em seo procedimento o miniino signal de orgulho, he pelo contrario o exemplar da humildade, aprendei , dizia, de min , que sou manso, e humilde de coração; náo he ambicioso; retira-sé sabendo, que un povo grato a seos beneficios, quer acclama-lo Rei; nao he interesseiro, amou sempre a po. breza; “ as aves do Ceo, dizia, tem seos ni», nhos, onde habitam; as rapozas tem seos co.

vís; o filho do homem nao tem, onde recline », sua cabeça: , (S. Math. c. 8. v. 20) recommendou a seos discipulos o despego das cousas terrenas , e o amor dos bens eternos, 6 enthezourai no Ceo, onde nem a traga , nem o la: drão póde damnar vossas riquezas : », não só jamais tirou partido; isto he, lucro temporal de seos milagres, mas determina positivamente o mesmo desinteresse a seos Discipulos – dai de graça, o que de graça haveis recebido - (S. Math. c. 10 v. 8): em toda a conducta de Jesus Christo não apparece, nem a sombra de dureza, e rigidez para com seos siinilhantes; condemna , e prohibe sem restriccaò toda a especie de mentira, e toda a acção má, ainda que a intenção seja bôa; encarece a pratica da sinceridade, he elle mesmo o exemplar de todas as virtutles, e

[ocr errors]
[ocr errors]

CA

se entrega sem resistencia á morte, para confirmar a verdade de sua missao : accusar portanto Jesus Christo de impostura he uma blasfemia absurda. Nenhum fanatico, nenhum impostor se paréceo jamais com Jesus Christo : além de que ninguern ha, que crêa n'um Dcos, e em sua providencia , e se persuada, que Deos se tenha servido de um velhaco insensato para estabelecer a mais santa Religião, que ha sobre a terra, e a mais capaz de fazer a felicidade do genero huinano. Um homem finalmente don minado por paixões viciosas, jamais podia mostrar um desejo táo ardente de santificar os homens, e de estabelecer sobre a terra o reino da virtude. Se Jesus Christo he Deos-homem, tudo está de accôrdo em sua conducta , e se não he Deos, tudo he um cahos incomprehensivel.

Comparemos agora Jesus Christo com os outros fundadores de religioens , que incomparavel differenca! A maior parte destes homens celebres confirmaram o Polytheismo, e a idolatria, que acharam geralmente estabelecidas; este procedimento basta por si só para caracterisa-los de fanatismo, ou de impostura. Parece que alguns conseguiram amaciar os costumes dos povos, mas não diminuiram sua corrupçao. Muitos foram conquistadores, que inspiravam o temor, vu Soberanos respeitados; empregaram a forga, a autoridade, e a seducção para se fazerem obedecer Jesus Christo não emprega outros meios de persuasao mais que suas virtudes, sua sabedoria, e seos milagres. Confucio pôde, sem prodigio, reunir os preceitos de moral dos sabios , seos predecessores, o conseguir grande nome no meio de um povo ainda ignorante e barbaro; mas não corrigio a religião dos Chinas, ja infeccionada de Polytheismo pelo culto que elles davam aos espiritos, e aos antepassados : su: doutrina não impedio, que se introduzisso na China a idolatria do Deos Fo, e fosse a religiảo do povo. Os Philosofos Indios, ainda que divididos em diversos systemas, se reuniram para submergir o povo na idolatria mais grosseira , estabeleceram uma desigualdade odiosa, e um odio irreconciliavel entre as differentes condições dos homens. Os pertendidos sabios do Egypto permittiram crear neste paiz um culto, e supersticoens taes , que tornaram ridicula asta nacao aos olhos de todas as outras. (*) Zoroas.

(*) Luciano no seo tratado dos sacrificios , depois de mencionar os diversos Deoses dos Egypcios, e suas formas extravagantes, conclue dizendo — Sendo estas cousas assim, e acreditando-as o vulgo, como verdadeiras, e sérias, parecc-me não precisarem tanto de um homein, que reprehenda , e corrija, quanto de um Heraclito , on Democrito; dos quaes este ria 611a demencia , aquelle chore sua nccedade. Lucian. dos sacrific. t. 3. pag. 95.

es

Si

tro, para reformar a idolatria dos Chaldeos, e dos Persas, lhe substituio um systema absurdo, multiplicou até o infinito as praticas minuciosas, estabeleceo o culto do Sol, inundou de sangue a Persia, e as Indias, para arraigar o que elle chamava - arvore du sua lei. Tanto os Philozofos, como os Legisladores Gregos, jamais se atreveram a tocar nas fabulas, e supersticoens antigas neste paiz, consagraram' com seo exem, plo todos os erros populares relativos ao culto, e se occuparam mais de suas disputas, que da reforma dos erros, é correccao dos costumes.

Mahomet , homem voluptuoso e perfido , li. zongeou as paixoens dos Arabes, para conseguir a reunião da autoridade religiosa, e do poder politico em sua tribu. Toda a sabedoria destes homens celebres consistio na destreza de fazer scrvir a seos designios ambiciosos os prejuisos, os erros, os vicios dominantes de seo paiz, e de seo seculo. A maior parte somente subju. garam nagoens ignorantes, e barbaras. Jesus Christo fundou o Christianismo no meio da Fi. losofia dos Gregos, e da civilisacao Romana : jamais poupou o vicio, nem fomentou crros; despresou as riquezas, e recusou as dignidades.:

Jesus Christo portanto não foi um fanatico, nem um impostor, foi verdadeiro Filho de Deos , sua doutrina be verdadeira, e a Religiaõ Christan por elle fundada, he a unica verdadeira Religião.

« PoprzedniaDalej »